Moo Portal Portal de novidades e actualidades
Sábado, 19 de Agosto de 2017

Provérbios > N

Provérbios, letra N

  • Na casa cheia, depressa se faz a ceia.
  • Na casa deste home quem não trabalha não come.
  • Na casa onde há dinheiro deve haver um só caixeiro.
  • Na necessidade prova-se a amizade.
  • Na prisão e no hospital, vês quem te quer bem e quem te quer mal.
  • Na terra onde fores viver faz como vires fazer.
  • Não acordes o gato que dorme.
  • Não adianta chorar sobre o leite derramado.
  • Não contes os pintos senão depois de nascidos.
  • Não cresce erva em caminho calcado.
  • Não dá a bota com a perdigota.
  • Não deites foguetes antes da festa.
  • Não deixes para amanhã o que podes fazer hoje.
  • Não desejes mal a ninguém, que o teu mal pelo caminho vem.
  • Não é bom o mosto colhido em Agosto.
  • Não é com vinagre que se apanham moscas.
  • Não é por grandes orelhas que o burro vai à feira.
  • Não é por muito madrugar que amanhece mais cedo.
  • Não faças nada antes de consultar a almofada.
  • Não há amor como o primeiro.
  • Não há atalho sem trabalho.
  • Não há ausentes sem culpas, nem presentes sem desculpas.
  • Não há bacorinho sem seu S. Martinho.
  • Não há bela sem senão.
  • Não há bem que sempre dure nem mal que nunca acabe.
  • Não há boa terra sem bom lavrador.
  • Não há duas sem três.
  • Não há Entrudo sem Lua Nova nem Páscoa sem Lua Cheia.
  • Não há fome que não dê em fartura.
  • Não há fumo sem fogo.
  • Não há guerra de mais aparato do que muitas mãos no mesmo prato.
  • Não há luar como o de Janeiro nem amor como o primeiro.
  • Não há maior amigo do que Julho com seu trigo.
  • Não há mal que bem não traga.
  • Não há mal que sempre dure nem bem que não se acabe.
  • Não há mau tempo senão quando faz vento.
  • Não há mês mais irritado do que Abril zangado.
  • Não há onde o filho fique bem, como no colo da mãe.
  • Não há pior cego do que aquele que não quer ver.
  • Não há regra sem excepção.
  • Não há roca sem fuso.
  • Não há Sábado sem Sol, nem Domingo sem Missa, nem Segunda sem preguiça.
  • Não hajas dó de quem tem muita roupa e faz má cama.
  • Não mates mais do que podes salgar.
  • Não medram as galinhas onde a raposa mora.
  • Não peças a quem pediu nem sirvas a quem serviu.
  • Não ponhas o carro à frente dos bois.
  • Não se deve contar com um ovo quando ainda está dentro da galinha.
  • Não se falar ao mestre do que ele ensina mal.
  • Não se fazem omeletes sem partir ovos.
  • Não se foge ao destino.
  • Não se pescam trutas a bragas enxutas.
  • Nao se pode ter sol na eira e chuva no nabal.
  • Não suba o sapateiro além da chinela.
  • Não te rias da caveira, que um dia nela te vais tornar.
  • Não ter eira nem beira, nem raminho na figueira.
  • Não tira bom resultado, quem vai onde não é chamado.
  • Não tornes por detrás, pois é fraqueza desistir-se de coisa começada.
  • Nas costas dos outros se vêm as nossas.
  • Nasce erva em Março, ainda que lhe dêem com um maço.
  • Natal a assoalhar e Páscoa ao mar.
  • Natal à segunda-feira: Lavrador alarga a eira.
  • Natal na praça e Páscoa em casa.
  • Nem em Agosto caminhar, nem em Dezembro marear.
  • Nem mesa sem pão, nem exército sem capitão.
  • Nem no Inverno sem capa, nem no Verão sem cabaça.
  • Nem sempre, nem nunca.
  • Nem só de pão vive o homem.
  • Nem tudo o que abana cai.
  • Nem tudo o que luz é ouro, nem tudo o que alveja é prata.
  • Nem tudo o que vem à rede é peixe.
  • Neve em Fevereiro, presságio de mau celeiro.
  • Nevoeiro de S. Pedro, põe em Julho o vinho a medo.
  • Nevoeiro na serra, chuva na terra.
  • Ninguém está bem com a sorte que tem.
  • Ninguém se ria com o mal do vizinho, que o seu pode vir a caminho.
  • Ninguém toque na ferida quando ainda sangra e está dorida.
  • Ninho feito, Pega morta.
  • No amor, quem foge é o vencedor.
  • No aperto do perigo, conhece-se o amigo.
  • No Carnaval nada parece mal.
  • No dia da cozedura, até as aranhas ficam fartas.
  • No dia de S. Lourenço vai à vinha e enche o lenço.
  • No dia de S. Martinho vai à adega e prova o vinho.
  • No dia de S. Martinho, mata o teu porco e prova o teu vinho.
  • No dia de S. Martinho: lume, castanhas e vinho.
  • No dia de Santiago pinta o bago.
  • No dia de Santiago vai à vinha e prova o bago.
  • No meio está a virtude.
  • No melhor pano cai a nódoa.
  • No minguante de Janeiro, corta o madeiro.
  • No Natal à janela, na Páscoa à panela.
  • No Outono o Sol tem sono.
  • No poupar é que está o ganho.
  • No princípio ou no fim, costuma Abril a ser ruim.
  • No S. João, a sardinha pinga no pão.
  • No tempo do cuco, tanto está molhado como enxuto.
  • Noite aqui, noite em casa.
  • Norte frio, água no rio.
  • Nunca de corvo bom ovo.
  • Nunca digas desta água não beberei.
  • Nunca falta um chinelo velho para um pé manco.
  • Nuvens em Setembro: chuva em Novembro e neve em Dezembro.